Como fazer uma tabela de cores com aquarela e conhecer melhor as suas tintas

6 - Foto destaque

Quando comecei no ateliê há três anos atrás, a primeira coisa que a Chiara, artista e professora de aquarela, disse que iríamos fazer era construir uma tabela de cores. Huuummm… Para quem queria sair aquarelando o mundo, construir uma tabela de cores não parecia ter muito glamour!

Mas, se conseguirmos segurar nossa ansiedade e colocarmos a cabeça para funcionar, de que outra forma nós vamos conhecer e registrar as cores da nossa paleta? De que outra forma nós vamos começar a criar um “repertório mental” das cores que temos disponíveis? Não tem jeito: só colocando as danadas no papel! De lá para cá, já fiz isso algumas vezes com as novas tintas que comprei. E já me vi consultando as tabelas criadas em diversas ocasiões. Obrigada por esse ensinamento, Chiara!!!

E, à medida em que for usando as suas tintas, você vai se familiarizando com elas. Literalmente: elas vão se tornando parte da sua família! 🙂 🙂  E, como aquele tio chato que você já sabe que faz um monte de piadas sem graça, você vai saber qual azul granula mais, qual amarelo parece mais transparente e até onde você consegue chegar com aquele vermelho. Mas, no início, não custa nada criar uma tabelinha básica para te ajudar!

Para esse artigo, eu fotografei o processo de criação da tabela com as tintas do meu estojo van Gogh. Esse tipo de estojo é bem prático para usar quando você vai pintar fora de um “ambiente controlado”, que pode ser ao ar livre, sentado em algum cantinho ou em qualquer lugar para onde tenha que levar seu material. O estojo é pequeno, tem as tintas básicas, vem com um pincel nº 10 e tem espaço para misturar as cores. Foi uma boa aquisição!

6 - Estojo fechado

6 - Estojo aberto

Organizando a tabela

Para fazer sua tabela, não precisa usar um papel maravilhoso 100% algodão. O papel mais básico atende bem.

Eu comecei reservando três espaços para cada cor original do estojo. Para isso, fui circulando com o lápis um rolo de fita durex . Pode ser círculo, quadrado ou retângulo. O que eu acho importante é criar uma divisão padrão para deixar a tabela organizada e clara. O TOC dentro de cada um de nós agradece! 🙂 🙂 E já pode logo registrar os nomes das cores também.

6 - Rolo de durex
A gente usa o material que tem à mão, né? Hahaha

6 - Folha com círculos

Explorando as cores originais

Comece a trabalhar com uma cor por vez. No meu caso, foi o permanent lemon yellow. Quando vou preencher a primeira bolinha, umedeço o pincel, pego a tinta e levo para o espaço de mistura usando pouca água. Com a mistura pronta, pinto a primeira bolinha.

Para a próxima bolinha, levo água para o godê umas duas vezes com o pincel, diluindo mais a tinta. Antes de pintar, sempre uso um papel de teste para ter certeza de que a cor clareou em relação à etapa anterior.

6 - Amarelos

Vou seguindo essas etapas para todas as cores que quero registrar. Acho importante usar água limpa sempre que trocar de família de cores, isto é, água limpa para os amarelos, outra água para os vermelhos e assim por diante.

6 - Folha com cores puras 1

6 - Folha com cores puras 2

Explorando as cores secundárias e terciárias

Depois de trabalhar com as tintas puras, é hora de começar a misturar as aquarelas para criar as cores secundárias e terciárias.

Só para registrar…

Cores primárias:

  • Vermelho
  • Azul
  • Amarelo

Cores secundárias (resultado da mistura de duas cores primárias):

  • vermelho + amarelo = laranja
  • amarelo + azul = verde
  • azul + vermelho = roxo

Dependendo da cor primária escolhida, a cor secundária resultante ficará diferente. Isto é, um verde feito criado com lemon yellow é diferente do verde feito com azo yellow.

Você pode criar quantas cores secundárias desejar. Os círculos pequenos no meio da folha são para elas. Os círculos à esquerda representam as cores que surgem com a adição direta de uma das cores primárias da mistura à cor secundária. Os círculos à direita serão preenchidos com as cores criadas pela adição da outra cor primária à cor secundária. Essas são chamadas de cores terciárias.

Para exemplificar, vou usar o laranja da minha tabela. Ele foi criado a partir da mistura de partes iguais de permanent red com azo yellow. É a cor secundária. No início, eu faço duas misturas iguais no godê e pinto o círculo do meio. Depois, em uma das misturas vou adicionando apenas o permanent red e pintado os círculos à esquerda. A tendência dessas cores é chegar ao vermelho. Na outra mistura vou adicionando apenas o amarelo e pintando os círculos à direita. A cor final tende para o amarelo. Essas são as cores terciárias.

6 - Folha com cores misturadas 1
O roxo seria feito com permanent red, mas não achei que ficou bonito. Então decidi usar o madder lake deep da família dos vermelhos!

Esse mesmo procedimento, você pode fazer para todas as cores secundárias que quiser criar.

6 - Folha com cores misturadas 2

Considerações adicionais

Para montar sua tabela, é importante usar sempre o papel de teste para ver como as adições de tinta vão alterando as cores.

Para criar cores neutras e acinzentadas, você pode misturar as 3 cores primárias. A quantidade que você coloca de cada tinta, muda a cor final.

Misturar cores complementares, por sua vez, cria tons amarronzados, que, normalmente, são opacos. Então é bom tomar cuidado com as seguintes misturas:

  • vermelhos com verdes
  • azuis com laranjas
  • amarelos com roxos

Você pode estar pensando que é um trabalho sem sentido fazer e conhecer essas misturas, já que existem aquarelas disponíveis em inúmeras cores no mercado. Mas, acredite, não é! Se você tem um estojo de 12 cores, na verdade, você tem, fácil, fácil, umas 30 cores a sua disposição. E é muito legal e útil conhecê-las!

Além disso, essas tabelas podem ser feitas para fins bem específicos. Por exemplo, tabela só de verdes se você gosta de pintar plantas; tabela só de azul se você pinta muitas paisagens; ou tabela com cores que representam tons de pele, se você pinta pessoas.

Divisor arabesco verde

Uma pintura é composta de vários elementos e eu considero a cor como um dos principais: desperta sentimentos, traz interesse à obra, apresenta conceitos. Espero que você se anime e encha muitas papéis com estudos de cores!

Obrigada mais uma vez pela companhia.

Até a próxima,

Beth.

Você gosta de artigos sobre arte ou aquarela? Então siga ACL pelo Facebook ou cadastre o seu e-mail para não perder nenhuma novidade!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inline
Inline